quarta-feira, 26 de junho de 2013

O Papa dos Milagres - João Paulo II

Boa noite, leitores!

“Não tenhais medo” foi o que nos disse João Paulo II quando foi eleito papa em 16 de outubro de 1978.

Quem me acompanha no instagram e no skoob sabe que eu estava lendo um livro escrito em homenagem a Karol Wojtyla, o queridíssimo João Paulo II. Bom, ontem terminei a leitura e já estou aqui para contar tudo para vocês.

O livro “O Papa dos Milagres. João Paulo II” foi escrito pelo jornalista alemão Andreas Englisch.

Por ser correspondente no Vaticano, o autor acompanhava o Papa João Paulo II em todos os seus compromissos e viagens. Desta forma, passou a perceber que aconteciam muitas coisas ao redor do Papa que, não raras vezes, eram difíceis de explicar.

Andreas prometeu ao Vaticano que só escreveria a respeito após a morte de João Paulo II e cumpriu a sua palavra, publicando a obra 2011, muito tempo depois da morte de Karol Wojtyla, que aconteceu em 02 de abril de 2005, dia da Divina Misericórdia, data que o próprio papa acrescentou ao calendário católico.

O prefácio é feito pelo padre Antônio Maria. Só pelo prefácio, que é lindo, você já imagina o que está por vir com a leitura do livro. O padre Antônio Maria nos conta com muito carinho  como foi um encontro seu com João Paulo II e eu fiquei muito ansiosa para ler a obra inteira.

                                               O que diz a contracapa:
"Durante mais de vinte anos, esses foram os segredos mais protegidos do Vaticano: os testemunhos de bispos, padres e fiéis católicos que vivenciaram supostos milagres atribuídos ao papa João Paulo II – antes e depois de sua morte. Andreas Englisch, especialista alemão em Vaticano, acompanhou o papa por quase duas décadas e seguiu de perto sua atuação, sua vida e seu sofrimento. Durante esse tempo, ele sempre se deparou com sinais de que João Paulo II dispunha de capacidades especiais. No entanto, o papa nuca quis que se falasse ou escrevesse a respeito desse assunto e chegou a exigir sigilo de todas as testemunhas. Porém, com a beatificação, Englisch se considera desobrigado do sigilo. E agora, pela primeira vez, ele apresenta os resultados dessas investigações. Será que João Paulo II foi mesmo um papa dos milagres?"

O que eu achei:

Bom, para começar, eu preciso dizer que eu nasci e fui criada na religião católica. Mas, muito mais do que isso, hoje, com 27 anos, eu posso dizer que a Igreja Católica Apostólica Romana foi a que eu escolhi para seguir. Portanto, sou católica, e a forma como eu olho para esse livro pode ser diferente da forma como você, de qualquer outra religião, possa olhar e é com o mais profundo respeito às demais crenças que eu escrevo uma resenha sobre esta obra.

É exatamente por isso que o nome do tópico é “o que eu achei”. Nesta parte eu faço uma análise pessoal da obra e a minha análise pessoal é com os olhos de uma católica.

Na verdade, eu acho mesmo que o papa João Paulo II vai muito além do que qualquer diferença religiosa, pois pregava princípios universais como o amor, a caridade e a humildade.

Ele era uma pessoa querida e muito querida também por muitas pessoas de outras religiões.

Não sei se vocês lembram, em 02 de abril de 2005, com a sua morte, inúmeras pessoas compareceram ao Vaticano para um último adeus, católicos e não católicos. O papa João Paulo II conseguiu atingir o coração de muitas pessoas ao redor do mundo, independente de sua crença.

Por outro lado, é importante mencionar que esse livro foi escrito por um jornalista e ele conta com detalhes como conseguiu chegar às informações publicadas na obra. Tudo foi muito bem pesquisado pelo autor, pessoas foram entrevistadas e todos os dados foram coletados com muito cuidado e imparcialidade e isso é bem fácil de perceber ao longo da leitura.

No livro, o autor relata muitos acontecimentos inexplicáveis que eram ligados à figura de João Paulo II.  Diversas curas foram atribuídas à sua intercessão e, enquanto era vivo, o papa João Paulo II pedia sigilo, pois não gostava de ficar sob os holofotes.

Sempre me emociona a história de quando ele foi baleado na Praça de São Pedro, vocês lembram disso? O papa foi atingido enquanto estava passando no meio da multidão. Confesso que conhecia muito pouco do ocorrido, sabia que ele tinha sido atingido, sobreviveu e depois perdoou o seu agressor. Mas o livro me mostrou muito mais. 

Conta o autor que o agressor primeiramente atingiu o braço de uma freira que estava, como todos ali, esperando a audiência com o papa. O segundo disparo foi certeiro na barriga de João Paulo II, neste momento o papa começou a rezar, pedindo o auxílio de Nossa Senhora. O papa foi levado ao hospital e, após 06 horas de cirurgia estava a salvo. Em conversa com o médico responsável, Andreas nos conta o que foi dito: “Parecia que algo invisível desviou a bala, a afastou dos órgãos vitais, de modo que a bala, dentro do corpo do papa, fez uma curva que na realidade era impossível”. O médico ainda contou quais foram as palavras do papa na ocasião: “Uma mão atirou e outra desviou a bala”.

Essa e outras histórias incríveis envolvendo o papa João Paulo II são contadas neste livro. Eu me emocionei muitas vezes, por todas as vidas que essa pessoa tão querida tocou, por todas as pessoas que ele ajudou e pela Igreja que ele ajudou a conduzir.

No dia 02 de abril de 2005 o papa João Paulo II entregou a sua alma ao Senhor, mas não deixou de olhar por quem pede seu auxílio junto ao Pai. Tanto que, no dia 01 de maio de 2011, também um domingo da Divina Misericórdia, ocorreu, no vaticano, a sua beatificação.

Conforme nos conta o livro, foi atribuído ao beato, após a sua morte, o milagre da cura de uma religiosa que sofria de Mal de Parkinson e pediu sua intercessão junto a Deus por uma cura. De forma inexplicável pela medicina ela foi curada de sua enfermidade.

Enfim, o livro é recheado de lindas histórias e faz com que você também participe de perto da vida de Karol Wojtyla como papa João Paulo II. Impossível não se emocionar, impossível não amá-lo.

"Quem esquecerá a última aparição na janela de seus aposentos? Esforça-se para falar, mas não lhe sai a voz. Com um último esforço, então, lança o sinal da cruz sobre a multidão reunida na praça e abençoa a todos. Retira-se, mais curvado ainda, como que pedindo desculpas por não poder falar aos seus amados filhos. Mas não se entrega. Precisa deixar sua última mensagem. É seu secretário particular por quase 40 anos que nos conta: - Ao deixar a janela, escreve em um papel pela última vez: Totus Tuus."


Parte do prefácio escrito pelo Padre Antônio Maria.



* Foto retirada do site do Vaticano

Beato João Paulo II, rogai por nós.

Boa leitura,

Mari



Dados do Livro:

Nome: O Papa dos Milagres - João Paulo II
Autor: Andreas Englisch
Tradução: Daniel Fanta
Editora: Universo dos Livros
Ano da Edição: 2011
Páginas: 266




4 comentários:

  1. Esse livro é realmente maravilhoso! Karol era um ser humano especial; daqueles que não se vê com tanta freqüência no mundo!

    Um adendo que pode ser incluído e que eu li na internet, é que o autor Andreas Englisch era ateu convicto, na época em que ele trabalhava na Alemanha no jornal Bild. Ao ser mandado como correspondente do jornal germânico para o Vaticano, ele riu. Tentou de todas as formas evitar a sua ida para a Itália. Foi trabalhar lá a contragosto e a mando do veículo de comunicação, cobriu grande parte do papado do João Paulo II.

    E aos poucos aquela figura humana e comovente, que pouco ligava para o formalismo imposto aos papas, foi transformando o jornalista ateu. Ele achava que a convivência com a Cúria Romana iria servir para confirmar o receio que ele tinha da Igreja, mas o que aconteceu foi exatamente o contrário.

    Tocado pelas atitudes espontâneas e ternas do papa João Paulo II pelas pessoas e pela enorme fé daquele homem, Andreas Englisch sentiu a sua fé renovada a ponto de hoje professar a fé Católica Apostólica Romana.

    Tanto isso é verdade que o autor já publicou mais um livro sobre o Vaticano, intitulado "O homem que não queria ser papa", também da editora Universo dos livros e que eu quero muito ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa! Não sabia que o autor era ateu... boa colocação! Quero muito ler o outro livro também!

      Excluir
  2. Oi Mari, tudo bem?

    não tem como não ficar tocada com a história de João Paulo II ainda mais pra mim, que trabalho em um veículo de comunicação católico, todo o testemunho que ele deu. Perdoar o cara que atirou nele foi apenas uma coisa em meio a tantas outras que ele fez pela Igreja, pelos fiéis... gosto muito dele, me emocionei muito quando ele morreu, ainda mais pq meu avô se parecia mt com ele. Vou anotar a sua dica e espero ler esse livro em breve.

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kel!!! Que lindo o seu comentário!!! Muito obrigada pela visita!!! Realmente João Paulo II foi um exemplo de humanidade! Ainda me emociono muito com toda sua história e sou muito agradecida por tudo o que ele fez pela nossa Igreja! E aí, vai na JMJ??? Beijos!!!!

      Excluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.